19 março, 2006

VII - E o Vento? (Parte II de III)

O ar condicionado havia pifado, não deu conta daquele inferno. No farol adiante, a bifurcação de duas avenidas principais. Cada vez que o farol fechava para nós, eram cinqüenta carros que se colocavam em nossa frente. O matemático já avisava “cada cinqüenta carros que entram em nossa frente, representam cerca de quinze minutos de atraso, visando que estamos a uns três quilômetros e que o farol fecha a cada sessenta metros andados...”.

Silêncio, desanimador a informação inteligente do nosso amigo. Todos já beiravam os cúmulos de seus nervos. Cada poltrona se tornava cada vez mais apertada. A gravata já não significava mais nenhum tipo de ética. O bebê vermelho dormia por não ter mais forças pra suportar aquilo e chorar, ninguém sabia mais se era melhor mantê-lo enrolado ou descoberto, até que aconteceu!

A colisão fez com que todos entrassem em desentendimento. A culpa é do motorista que não parava de buzinar e xingar pela janela, a culpa era também daquela gorda que não para de reclamar, a culpa era dos empresários que ficavam falando alto no celular achando que aquilo era a bolsa de valores, a culpa foi do maldito motorista daquele veículo que tentou ultrapassar o sinal amarelo, a culpa era do matemático que agora calculava o estrago que teria uma maçã se estivesse entre o as duas máquinas colididas.

VII - E o Vento? - Parte I
VII - E o Vento? - Parte III
Postar um comentário