24 março, 2006

VIII

"Embora teu coração não conheça o sabor da perfídia, é com esplendor que ostento minha augusta ternura por ti e, impávido, proteger-te-ei de quaisquer vilezas."



por Augusto C. Alencar
Postar um comentário