29 agosto, 2015

LXXVIII - Boa Noite

Não vá sem dizer boa noite. A conversa está tão boa que não aceito você dizer que cochilou e não acordou mais.

"Ao sair feche a porta." - Não é assim que se diz por aí?

Pois bem. Não saia sem dizer boa noite. Feche a nossa porta antes de partir.

Não me importo que vá. Apenas me deseje boa noite.

Boa noite é um desfecho que automaticamente me desperta o sono. Sem ele, divago em pensamentos nus e sem sentido, na esperança de mais uma mensagem. Mesmo que essa seja um seco boa noite perdido em meio a um vasto silêncio de meia hora.

Perguntas porquê eu não me ocupo com outra atividade durante as pausas antes do tão indesejável e esperado boa noite. 

Então respondo que estou farto da comédia fraca da TV, da pornografia fácil e gratuita e do noticiário, o qual já sei até em que ordem serão reprisadas.

Dos pernilongos, já cacei a todos. Alguns com sangue, meu ou não, outros magros que degustaram da morte ainda com fome. A eles já dei meu boa noite.

Agora, só falta o teu. Ansioso aguardo. E para você que anseia do boa noite que tens direito, aqui, logo abaixo desta linha, poderás encontrar o meu.

Boa noite.
Postar um comentário