24 agosto, 2015

LXVIII - Vitoria-Gasteiz

10:00. 

A cidade desperta aos poucos ainda. Tempo úmido nesse local pacato. As árvores nuas ainda por conta das sequelas do inverno são o charme daquele momento junto com a vista das construções típicas e velhas dos vilarejos.

Bom para caminhar e divagar entre uma mista seleção de pensamentos sobre como a vida está agora com a realidade das imagens capturadas pelos meus olhos neste momento. Temperada com uma pitada do som suave da alma dali. Os velhos, as bicicletas, os sorrisos e mesmo a seriedade expressa na face dos residentes fazem todo esse remexido de itens se transformar dentro de uma mente livre de preocupações.

Ali, na rodoviária, compro meu bilhete e aguardo. Ainda divagando sobre ares e vidas, assim vou levando, na atmosfera daquela sensação pacata, sem me preocupar se amanhã...

Hora de partir para outro lugar, que não se trata do amanhã que pretendi por um instante citar.

10:30.
Postar um comentário