29 outubro, 2006

XXIV - Crime


Num quarto escuro.
Pálpebras pesadas,
Garganta calada,
Boca colada,
Sono.
Frio.
Na rua uma mulher só, em meio à névoa fina.
A tristeza amarga por dentro...
A mulher.
Derrepente um homem também.
Um soco.
Um choro.
Desespero.
Gritos.
Um gozo.
Na rua uma mulher só, em meio à névoa fina.
Suas lágrimas salgadas e o sangue por entre as pernas.
Vítima.
Um choro desesperado de agonia e nojo.
Num quarto escuro, pálpebras sonolentas, acordadas.
Pela janela uma mulher em meio ao sangue e a chuva.
Socorro.
Tristeza.
Compaixão.
Ajuda.
Calma.
Um agradecimento.
Num quarto escuro.
Sono.

por Carla Marco de Carvalho.


OBS.: Não há verbos na obra.

Postar um comentário